4 dicas para identificar o melhor público-alvo de uma gráfica Mundo Gráfico

Definir o público-alvo de uma gráfica é o primeiro passo para montar um plano de marketing de sucesso.

Afinal, se você não sabe para quem vender, como vai saber o que vender?

Você precisa vender os produtos certos para os clientes certos, essa é a fórmula para atrair e fidelizar mais clientes, e assim, aumentar as vendas.

Se você também quer aumentar as vendas, continue lendo e aprenda facilmente como identificar e definir o melhor público-alvo para o seu negócio gráfico.

1. Estude a região

O primeiro passo para identificar e definir o público-alvo de uma gráfica é avaliar a sua localização.

E a regra mais importante é:

A gráfica precisa estar perto dos grandes fluxos de potenciais clientes.

Deste modo toda a divulgação local será potencializada, pois os clientes ideais vão estar trafegando diariamente pela região.

Por exemplo:

Se você pretende prestar serviços de decoração para festas infantis, é importante que esteja próximo às escolas.

E o motivo é simples:

É o ponto ideal para atingir o fluxo de pais que levam e buscam os filhos na escola, além de encantar as crianças com os materiais expostos.

Por outro lado, se a sua gráfica pretende atender um público mais abrangente, como empresas, profissionais autônomos e pessoas físicas em geral, é melhor se posicionar próximo ao centro da cidade.

Fique atento: Lembre-se que o ambiente local pode mudar. Então, fique atento às mudanças e adapte seus serviços, caso seja necessário.

 

2. Analise a demanda

Depois de identificar um local em potencial, de acordo com as suas expectativas, é hora de verificar se o público-alvo que você almeja realmente precisa dos seus serviços.

Afinal, não basta abrir uma gráfica sem planejar como fazer ela crescer.

Você precisa validar se a sua gráfica vai ter sucesso nas vendas.

Quer descobrir como fazer isto? Veja abaixo.

 

Passo #1: Identificar as necessidades

Encontrar uma região que não tenha gráficas por perto é o tipo de vantagem competitiva que pode instigar muitas pessoas a abrirem um negócio rapidamente, para aproveitar o momento.

Mas será que aquela região realmente precisa de uma gráfica?

Ou vice-versa:

Encontrar uma região com muitas gráficas não significa, necessariamente, que não há espaço para um novo negócio.

Pode-se, por exemplo, descobrir e as pessoas têm carência de serviços que nenhuma das outras gráficas oferece.

Ou seja:

Identifique as necessidades das pessoas daquela região e descubra se elas precisam dos serviços que você se propõe a fazer.

 

Passo #2: Validar a aceitação do público

Antes de arriscar, invista um tempo para conhecer os hábitos das pessoas em relação às gráficas da região.

  • Os clientes são bem atendidos?
  • Os produtos são entregues dentro do prazo?
  • Os preços são altos ou baixos?

Existe um bom motivo para fazer isso.

Um estudo psicológico mostrou que as pessoas não gostam de mudar os hábitos. Faz parte do nosso subconsciente preferir as mesmas atividades que já estamos acostumados a fazer.

A explicação por trás disso?

Nosso cérebro gasta menos energia com experiências que já conhece.

Ou seja:

Não basta montar uma gráfica e esperar que os clientes apareçam da noite para o dia.

Crie estratégias e descubra como atrair e fidelizar clientes para a sua gráfica para crescer rapidamente.

 

Passo #3: Conhecer seus pontos fortes e fracos

Com os dados das análises dos passos anteriores em mãos, está na hora de compará-los aos pontos fortes e fracos da sua gráfica.

Por exemplo:

Se uma determinada região não possui a necessidade de uma gráfica rápida, mas você acha que pode criar essa necessidade, provavelmente deve investir.

Ou então, se acredita que os clientes das gráficas concorrentes estão insatisfeitos por algum motivo, e pensa que pode convertê-los para o seu negócio, provavelmente deve investir.

Entendeu?

A maneira mais rápida e barata de descobrir seus pontos fortes e fracos é fazendo uma análise SWOT.

 

3. Faça pesquisas de mercado

Podemos dividir as pesquisas em dois tipos:

  1. Pesquisa interna;
  2. Pesquisa externa.

A pesquisa interna se trata de conhecer melhor o seu negócio por dentro. Esta pesquisa deve incluir dados de vendas, pedidos, margem e área atendida.

Além disso, também deve ser incluído mais detalhes como serviços oferecidos, comunicação, preços, distribuição e estratégias de marketing.

Já a pesquisa externa se trata da coleta de informações sobre o ambiente fora do seu negócio que afetarão a sua empresa, como fatores econômicos, sociais, culturais e de negócios.

Lembre-se que uma gráfica pode se adaptar facilmente a um novo público, basta investir nos equipamentos que atendam aquela demanda.

Por isso é importante manter os dados de pesquisa sempre atualizados.

 

4. Mantenha o orçamento alinhado com o público-alvo

Quando falamos em gráficas, não basta escolher um público-alvo se você não tem os equipamentos adequados para atendê-lo.

Se o seu público quer qualidade, você precisa entregar qualidade.

Quer um exemplo?

Muitas gráficas rápidas de pequeno porte preferem comprar impressoras antigas pela questão do baixo custo de investimento.

O valor do investimento é menor, porém, máquinas velhas apresentam mais problemas, e a tecnologia antiga não consegue alcançar os mesmos níveis de desempenho e qualidade que as máquinas novas.

E para piorar:

É mais difícil encontrar assistência técnicas e peças.


Fabricio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Total